Rede Social do Café

T Ó P I C O : Cafeicultor pode ter dificuldade na entrega, se safra 2021 cair muito, diz Itaú BBA

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5197

Visitas: 23.491.464

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Cafeicultor pode ter dificuldade na entrega, se safra 2021 cair muito, diz Itaú BBA


Autor: Leonardo Assad Aoun

574 visitas

2 comentários

Último comentário neste tópico em: 25/11/2020 14:48:15


Leonardo Assad Aoun comentou em: 24/11/2020 15:28

 

Cafeicultor pode ter dificuldade na entrega, se safra 2021 cair muito, diz Itaú BBA

 

Aquele produtor de café do Brasil que se empolgou com vendas antecipadas para 2021 pode ter dificuldades para cumprir entregas, caso a safra do próximo ano tenha uma quebra expressiva ou problemas de qualidade como alguns comentam, avaliou nesta terça-feira um especialista do Itaú BBA.

O banco de investimentos trabalha com cenários que apontam uma quebra de 14% e 21% na próxima temporada (2021/22), em função de chuvas inferiores à média e do ano de baixa no ciclo bienal de produção do grão arábica.

"O sul de Minas (principal região produtora) foi muito castigado, se ele (produtor) vendeu 50% (antecipadamente), ele vai passar um 'calor'. É mais neste sentido que pode ter alguma dificuldade", afirmou o consultor de Agronegócios do Itaú BBA, César de Castro Alves, durante evento online com jornalistas.

Contudo, o especialista disse que os produtores não comercializaram nem um terço da próxima safra, ainda que o movimento de vendas antecipadas tenha sido expressivo para o ciclo deste ano com impulso do câmbio --no caso de 2020, 70% da produção já está vendida.

"Arriscaria a dizer que não deve chegar a 30%", disse ele, supondo o percentual de vendas futuras referente à colheita do ano que vem.

"(Isso) preocupa em princípio um pouco, mas a gente sabe que tem produtores que podem exagerar na dose (de vendas)", afirmou ele, lembrando que ainda é cedo para apontar o tamanho da redução de colheita do Brasil em 2021 ante 2020, quando o país teve uma de suas melhores temporadas.

Ele disse ainda que, no café, a venda do produto também envolve a qualidade do grão, o que pode adicionar uma dificuldade para cumprimento da entrega.

"E parece que vai ter algum problema", afirmou, apontando floradas "desorganizadas" pelas chuvas irregulares.

"Pode ser que tenhamos uma safra de qualidade um pouco pior, ele (produtor) até consegue colher, mas não tem condições de entregar. Se a qualidade for um pouco pior, essa dificuldade pode vir daí também", ponderou.

O especialista conjecturou que, se o quadro da quebra de safra não for "tão catastrófico", eventuais problemas de entregas do produto já comercializado seriam menores.

Tradicionalmente, lembrou Alves, os cafeicultores não negociam volumes tão expressivos da safra futura, como o setor de grãos, que já comercializou mais de 50% da colheita de soja antes mesmo de o plantio ter sido encerrado, por exemplo.

Embora o Brasil tenha colhido uma grande safra de café e esteja com armazéns cheios, o quadro de oferta é mais apertado em 2021, comentou Alves, o que "pode criar espaço para preços mais firmes".

Fonte: Reuters/Notícias Agrícolas

Visualizar | |   Comentar     |  


Celso Luis Rodrigues Vegro comentou em: 25/11/2020 14:47

 

Notícia 60 dias atrasada

 

Amigos da RSC

Em 01.10 publicou-se nessa rede social o artigoÇ 

COMPETITIVIDADE DO CAFÉ LADEIRA ABAIXO

http://redepeabirus.com.br/redes/form/post?topico_id=84846&pag=1&order

Nele antecipamos o que o Itaú vem agora posicionar.

Poderiam ao menos fazer uma menção a nosso primeiro alerta.

Enfim...

Celso Vegro

Visualizar | |   Comentar     |  



1