Rede Social do Café

T Ó P I C O : Incaper apresenta resultados parciais dos projetos de pesquisa da Rede Inova Café

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5230

Visitas: 24.623.600

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Incaper apresenta resultados parciais dos projetos de pesquisa da Rede Inova Café


Autor: Leonardo Assad Aoun

49 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 02/12/2021 19:01:31


Leonardo Assad Aoun comentou em: 02/12/2021 18:56

 

Incaper apresenta resultados parciais dos projetos de pesquisa da Rede Inova Café

 

Incaper apresenta resultados parciais dos projetos de pesquisa da Rede Inova Café

Na tarde desta quarta-feira (1º), foram apresentados os resultados parciais dos nove projetos de pesquisa da Rede Inova Café, na Universidade de Vila Velha (UVV). O objetivo da rede é alavancar o desenvolvimento da atividade cafeeira do Estado e o maior controle da qualidade dos cafés.

 

Por meio dos projetos de pesquisa, são estudados e avaliados os níveis de resíduos de herbicidas utilizados no controle de plantas daninhas, a fim de fornecer evidências objetivas dos impactos nos grãos do café. A Rede tem ainda como objetivos identificar boas práticas agrícolas para o manejo adequado dos defensivos agrícolas nas lavouras cafeeiras do Estado e criar novas tecnologias para serem transferidas diretamente ao produtor capixaba.

“Um dos fatores que mais afeta o rendimento do café é a ocorrência das plantas daninhas no ambiente agrícola, competindo com as culturas de valor econômico, como no caso do café, e afetando diretamente a sua produtividade. Também depreciam a qualidade final do produto e elevam o custo da produção, dificultando a colheita por servirem de hospedagem para pragas e doenças”, explicou o coordenador de Cafeicultura do Incaper, Abraão Carlos Verdin.

“Logo no começo da nossa gestão, abraçamos o projeto com o Incaper e os parceiros. É importante ressaltar que essa rede tem o foco de difundir o conhecimento científico, por meio de pesquisas voltadas para o setor cafeeiro capixaba. Iniciativas como essa elevam a qualidade dos nossos cafés, gerando renda e riqueza para o Espírito Santo”, pontuou o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto.

A Rede Inova Café é composta pelos nove projetos de pesquisa, com o total de 53 pesquisadores envolvidos, sendo constituída por três eixos interconectados: Boas práticas e manejo; Absorção, efeitos e degradação; e Transferência de tecnologia. Os estudos realizados pela Rede desenvolvem metodologias para o maior controle de plantas daninhas no cafeeiro, além de entender o metabolismo que ocorre nas plantas.

As pesquisas são desenvolvidas com o propósito de difundir o conhecimento científico e a capacitação de técnicas de manejo em campo, entre cafeicultores e grupos associativos. O financiamento das pesquisas, no total de R$ 2,6 milhões, é realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), com o patrocínio da Nescafé.

A pesquisadora e diretora técnica do Incaper, Sheila Posse, coordena o projeto intitulado “Capacitação, treinamento e transferência de tecnologia e inovação para o setor produtivo da cadeia do café capixaba quanto ao uso racional de herbicidas nas lavouras”.

A finalidade da proposta é de realizar capacitações e treinamentos com os extensionistas do Incaper, técnicos de instituições parceiras, tais como cooperativas e associações de cafeicultores do Espírito Santo, sobre as tecnologias geradas pelos projetos que compõem a Rede Inova Café. “Pretendemos intensificar os processos de transferência de tecnologias e inovações sobre o uso racional do herbicida, principalmente o glifosato nas lavouras de café do Estado, visando à sustentabilidade da cafeicultura capixaba e ao aumento da renda, mediante à retomada das exportações do nosso café”, explicou Sheila Posse.

A pesquisadora também lembrou que, este ano, o Incaper deu início a uma campanha de conscientização com técnicos e cafeicultores, por meio de vídeos que foram disponibilizados no canal do Instituto, no YouTube, abordando o uso correto de equipamentos na aplicação de defensivos agrícolas, calibração, pulverizador, tipos de plantas daninhas e sazonalidade, rótulos e bulas de agroquímicos, entre outros. A campanha também foi realizada por meio da produção de conteúdos no Facebook e Instagram, com o intuito de divulgar a proposta da rede.

“Durante esse tempo, já somamos mais de três mil visualizações na playlist da Rede Inova Café e mais de 9.700 novos inscritos, no canal do IncaperTV e no YouTube”, comemorou Sheila Posse.

A Rede Inova Café foi criada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), é coordenada pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e composta por integrantes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Universidade Vila Velha (UVV) e por pesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).

Abraão Carlos Verdin coordena o projeto da Rede Inova Café, com o título: “Épocas de aplicação de herbicidas e princípios ativos no controle de plantas daninhas em cafeeiros”. O projeto consiste na verificação do manejo adequado de plantas daninhas nos cafeeiros, a partir de diferentes épocas. Os estudos do projeto estão sendo desenvolvidos nas Fazendas Experimentais do Incaper em Marilândia e Venda Nova do Imigrante, e em uma propriedade rural em Castelo. Os aspectos biométricos, fisiológicos, nutricionais e produtivos das plantas em lavouras de café são avaliados em laboratórios do Incaper, Ufes, UVV e UENF.

Verdin destaca que as espécies de plantas daninhas mais comuns nos três experimentos foram a Capim-amargoso (Digitaria insularis), a Capim Pé de galinha (Eleusine indica L. Gaertn), Serralha (Sonchus oleraceus L), Caruru (Amarantus deflexus L) e a Trapoeraba (Commelina benghalensis L).

“Fazemos o acompanhamento das aplicações de herbicida nas lavouras de café, além dos tratos culturais e manejos para cada lavoura, com a observação de possíveis pragas e doenças, nutrição das plantas, a determinação da colheita e o acompanhamento dos estágios de desenvolvimento dessas lavouras”, detalhou Verdin.

Os projetos de pesquisa da Rede Inova Café, coordenados pela Ufes e UVV, estão em desenvolvimento e têm prazo de vigência até 2022. As expectativas são que os conhecimentos sobre as pesquisas científicas comecem a ser difundidos ainda neste ano de 2021, assim como a primeira meta do projeto de transferência de tecnologia.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Incaper/CCCMG

Visualizar | |   Comentar     |  



1