Rede Social do Café

T Ó P I C O : O papel do meteorologista no presente e no futuro da cafeicultura brasileira, por meteorol Willy Hagi

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5223

Visitas: 24.381.297

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

O papel do meteorologista no presente e no futuro da cafeicultura brasileira, por meteorol Willy Hagi


Autor: Leonardo Assad Aoun

47 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 14/10/2021 11:08:00


Leonardo Assad Aoun comentou em: 14/10/2021 11:00

 

O papel do meteorologista no presente e no futuro da cafeicultura brasileira, por meteorol Willy Hagi

 

O Brasil é o maior exportador de café do mundo e a produção de café há séculos faz parte da história do país.

Do início do século 20 aos dias de hoje, a cafeicultura nacional passou por uma série de desafios ligados aos fenômenos meteorológicos e climáticos, como por exemplo o caso sempre muito lembrado da traumática Geada Negra de 1975 no Paraná.

Hoje o mundo vive em estado de emergência climática, com o Clima cada vez mais no centro das discussões e dos negócios internacionais. Com a cafeicultura não é diferente e não será diferente nas próximas décadas, com o curso atual das mudanças climáticas já mudando o comportamento da produção agrícola em todas as regiões do Brasil e afetando com mais intensidade os pequenos e médios produtores rurais.  

Dizer que a cafeicultura é uma indústria a céu aberto é dizer que ela está sempre exposta aos mais variados tipos de riscos climáticos, das geadas a secas e vendavais (e muito mais!). Daí vem a importância vital de contar com um profissional meteorologista em todos os estágios da produção, principalmente quando os riscos se agigantam com o passar dos anos. 

Talvez não seja de conhecimento geral, mas a profissão do meteorologista é reconhecida e regulada no Brasil desde o ano de 1980. Isso também significa que só um profissional dessa classe tem a capacidade técnica e permissão por lei de fazer previsões de Tempo e Clima, de prestar consultorias em temas da área para os mais diversos setores da sociedade, emitir pareceres, desenvolver técnicas e dirigir estudos de meteorologia em território nacional. 

Todo dia 14 de Outubro é Dia do Meteorologista no país assim como o dia 12 também é dia do Engenheiro Agrônomo. São duas profissões muito próximas, que juntas fazem parte do Sistema CONFEA/CREA, mas que ainda precisam unir forças de uma maneira mais decisiva no setor agrícola. O que falta para o meteorologista estar mais presente no campo e na cafeicultura brasileira? Como os produtores podem confiar mais nas previsões de Tempo e Clima, além dos vários outros serviços que só o meteorologista pode prestar? Como quantificar riscos, avaliar projeções futuras e fazer a cafeicultura cada vez mais resiliente e sustentável? Essas são as questões que vão nortear o setor nas próximas décadas, mas também vai ser preciso ter visão para se antecipar e largar na frente.

Texto elaborado pelo meteorol. Me. Willy Hagi (CREA-AM 32258), diretor da Meteonorte. Entre em contato: taggo.one/willyhagi.

Fonte: Revista Cafeicultura

Visualizar | |   Comentar     |  



1