Rede Social do Café

T Ó P I C O : Está a beber e a pagar o café com a qualidade que está na chávena?

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5215

Visitas: 24.048.380

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Está a beber e a pagar o café com a qualidade que está na chávena?


Autor: Leonardo Assad Aoun

115 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 13/01/2021 20:55:21


Leonardo Assad Aoun comentou em: 13/01/2021 20:49

 

Está a beber e a pagar o café com a qualidade que está na chávena?

 

Empresas de torrefação misturam grãos de variedades de café diferentes e com preços diferentes. Agora, investigadores desenvolveram um método que permite determinar qual o tipo de café que está na chávena.

Está a beber e a pagar o café com a qualidade que está na chávena?Está a beber e a pagar o café com a qualidade que está na chávena? Foto: © Rosa Pinto

Pessoas em todo o mundo querem que seu café seja de qualidade e com preços razoáveis. Para responder às exigências dos consumidores, as empresas de torrefação costumam usar uma mistura de dois tipos de grãos: arábica e robusta. Mas, algumas empresas usam mais grão robusta que é mais barato, pois a composição do café após a torrefação é difícil de ser determinada.

Agora, investigadores desenvolveram uma forma de conhecer exatamente que café está na chávena. O trabalho dos investigadores já se encontra publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry da American Chemical Society (ACS).

As misturas de café podem ter boa qualidade e sabor. No entanto, os grãos de arábica são mais desejáveis ​​do que de outras variedades, resultando num maior valor de mercado para as misturas que contêm uma maior proporção da variedade arábica.

Alguns produtores constroem as misturas com um maior quantidade de grãos robusta que são mais baratos, o que até agora era difícil de determinar. Mas recentemente, foram desenvolvidos métodos envolvendo cromatografia ou espectroscopia para autenticar o café, no entanto a maioria dos métodos exige muito trabalho e tempo, ou recorrem a clorofórmio para a extração, o que limita os tipos de compostos que podem ser detetados.

Em alguns estudos, os investigadores usaram espectroscopia de ressonância magnética nuclear (RMN) para monitorar a quantidade de 16-O-metilcafestol (16-OMC) no café, mas suas concentrações variam, dependendo da localização geográfica e do cultivar.

Os investigadores extraíram compostos de um conjunto de café puro e de misturas conhecidas com metanol e identificaram os compostos com RMN. A equipa de investigação encontrou 12 compostos com concentrações mensuráveis, e dois tinham quantidades significativamente diferentes entre as variedades de café.

As concentrações elevadas de 16-OMC são exclusivas da variedade robusta, enquanto as altas concentrações de kahewol – um composto previamente encontrado em grãos de café por outros investigadores – eram distintas da variedade arábica. Houve uma relação direta e reprodutível entre as concentrações de 16-OMC e kahewol encontradas nas misturas das duas variedades. Os investigadores mediram os níveis de 16-OMC e Kahewol, além de outras moléculas de sabor, em 292 amostras de produtores de várias locais do mundo.

Os investigadores conseguiram autenticar, com sucesso, café puro, mesmo com concentrações relativamente baixas dos dois compostos indicadores das variedades. Para amostras nas quais a composição das misturas era conhecida, as previsões da equipa de investigadores estavam dentro de 15% da proporção real.

O novo método resulta numa maneira mais robusta e confiável de verificar o café não adulterado e de prever misturas do que as abordagens relatadas anteriormente, dizem os investigadores.

Fonte: TV Europa

Visualizar | |   Comentar     |  



1