Rede Social do Café

T Ó P I C O : Prêmio ATeG Café consagra três supercampeões

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5191

Visitas: 23.325.966

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Prêmio ATeG Café consagra três supercampeões


Autor: Leonardo Assad Aoun

66 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 21/11/2020 22:03:45


Leonardo Assad Aoun comentou em: 21/11/2020 22:03

 

Prêmio ATeG Café consagra três supercampeões

 

cafe-verde-graos

Os melhores cafés produzidos dentro do Programa de Assistência Técnica e Gerencial-ATeG Café foram apresentados na tarde de quinta-feira (19), na premiação do 4º Cupping de Cafés Especiais do Programa ATeG, transmitida ao vivo na programação da SIC.

 

Abrindo o evento, o presidente do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, Roberto Simões, destacou a transformação que o programa vem fazendo na vida dos produtores rurais. “O SENAR incorporou a missão de oferecer assistência técnica e gerencial, e isso tem dado novo folego a produtores de várias cadeias produtivas. A experiência com o café mostrou que os produtores assistidos tem se diferenciado muito positivamente”.

Simões também anunciou para o primeiro semestre do próximo ano, a conclusão da construção do Centro de Excelência em Cafeicultura, em Varginha; iniciativa da CNA em parceria com o Sistema FAEMG/SENAR/INAES. A estrutura, que conta com salas de treinamento e laboratórios, será referência nacional em aprendizado e pesquisa na área do café.

O diretor-geral do SENAR, Daniel Carrara, fechou a premiação destacando como o Programa de Assistência Técnica e Gerencial ganhou destaque em Minas Gerais graça ao trabalho técnico do Sistema FAEMG, que ele disse ter “revolucionado” a aplicação da metodologia.

Alta qualidade

O gerente regional do Sistema FAEMG/SENAR/INAES em Viçosa, e Q-grader, Marcos Reis, explicou, durante a premiação, como foi o processo de seleção e classificação das mais de 900 amostras recebidas. Todo o trabalho foi feito na sede do Sindicato dos Produtores Rurais de Boa Esperança por especialistas, voluntários e ex-alunos do SENAR MINAS. As notas, explicou Reis, foram uma média das apontadas por nove profissionais. Todas acima de 80 pontos.

Oportunidade de venda

O Café Três Corações novamente irá comprar os grãos dos dois primeiros colocados de cada categoria-natural e cereja descascado- de cada região. Ao primeiro lugar será ofertado R$ 2.300,00 por saca e, ao segundo, R$ 2.100,00. A plataforma Agrorigem também ofereceu aos produtores interessados, atendidos pelo ATeG, espaço para expor seus produtos para divulgação no mercado externo.

Campeões gerais
1º- Marcelo dos Santos- Baependi – Região Sul de Minas – Categoria Natural – 90,30 pontos
2º- José Maurício de Souza – Conceição das Pedras – Região Sul de Minas – 88,25 pontos
3º- Célio Augusto da Silva – Cristina – Região Sul de Minas – Categoria Natural – 88,20 pontos

Cerrado – Categoria Natural
1º José Adilson Cândido Correa – Araxá
2º Vasco Geraldo Witsel – Campos Altos
3º Luisele Olinda Jaulino de Morais – Araguari

Chapada de Minas – Cereja Descascado
1º Sergio Meirelles Filho – Capelinha
2º Maurício Capistrano Costa – Medina

Matas de Minas – Cereja Descascado
1º Edimar Miranda – Araponga
2º Josiane Aparecida de Lima – Araponga
3º Geraldo da Silva Dutra -Manhuaçu

Matas de Minas – Natural
1º Joal Gilmar Emerich – Alto Caparaó
2º Walci Luciano – Araponga
3º Reinaldo Garcia dos Santos – Luisburgo

Sul de Minas – Cereja Descascado
1º Claudia Maria Carneiro Bustamante Santana – Jesuânia
2º Antônio Rodrigues de Miranda – Nova Resende
3º Alessandro Marcos de Miranda – Nova Resende

Sul de Minas – Natural
1º Marcelo dos Santos – Baependi
2º José Maurício de Souza – Conceição das Pedras
3º Célio Augusto da Silva – Cristina

SUL DE MINAS

Pai e Filho garantem vitória no ATeG café 2020

A família Miranda de Nova Resende garantiu um bom resultado no Cupping 2020 com a classificação em 2º e 3º lugar na categoria cereja descascado. A classificação foi apresentada no dia 19, durante a Semana Internacional do Café. Antônio Rodrigues de Miranda e Alessandro Marcos de Miranda, pai e filho, confirmaram mais uma vez a qualidade do café que produzem. Em 2019 ficaram em 1º e 2º lugar na mesma categoria.

Resultados positivos para aqueles que há 10 anos trabalham em busca da qualidade. Começaram com o Certifica Minas da Emater e depois seguiram com o programa ATeG do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, o que segundo o produtor é essencial para realizar bem o trabalho. O supervisor do programa no Sul de Minas, Rodrigo Elias Batista Almeida Dias, destaca o concurso como uma vitrine para o reconhecimento do trabalho realizado pelo produtor, durante uma safra.

A lavoura

O café classificado é da variedade Arara, produzido a aproximadamente 1.170 metros de altitude, nos Sítios Boa Vista e Prata. Os produtores optaram por investir nessa variedade em 2017; outras lavouras da propriedade são da variedade Catuaí.

A cultivar Arara tem como principais características a resistência a ferrugem, peneira alta e maturação tardia, motivo este que se ambientou bem no solo de Nova Resende, resultando em café especiais. “Nós não trabalhamos com máquina, seguimos um ritmo mais lento, para garantir a qualidade. Esse ano investimos em terreiros suspensos e na fermentação com levedura”, disse Alessandro que está muito feliz com a conquista do prêmio.

Mercado

Pai e filho trabalham juntos e contabilizam vitórias além do Cupping. Ficaram em 1º e 3º lugar no Concurso Melhor Café Fair Trade do Brasil; 3º lugar no concurso municipal; e a esposa de Alessandro, Taís Silva Fernandes de Miranda, ficou em 4º lugar no Florada Premiada do café Três Corações. Eles ainda aguardam o resultado do concurso da Emater.

O café da família já conquistou preços no mercado de até R$ 2.500,00. Antônio, classificado na segunda colocação do Cupping 2020, recebeu a proposta de R$ 2.100,00, por saca, do Café Três Corações. Os cafés não classificados em premiações, os produtores comercializaram para a Alemanha com valores até R$ 1.800,00 a saca. E as conquistas não param por aí. A variedade Catuaí não levada a concursos, conseguiu pontuação de 85 e é comercializada por R$960, 00 a saca. “Valeu o esforço da última safra”, destacou Alessandro.

Fonte: Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos/CCCMG

Visualizar | |   Comentar     |  



1