Rede Social do Café

T Ó P I C O : Café: Preocupações com segunda onda da Covid volta a pressionar os preços em NY

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5190

Visitas: 23.214.331

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Café: Preocupações com segunda onda da Covid volta a pressionar os preços em NY


Autor: Leonardo Assad Aoun

55 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 16/10/2020 14:15:16


Leonardo Assad Aoun comentou em: 16/10/2020 14:07

 

Café: Preocupações com segunda onda da Covid volta a pressionar os preços em NY

 

Após iniciar o dia com altas técnicas, os preços no mercado futuro do café arábica, no início da tarde os principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). 

Por volta das 13h40 (horário de Brasília), dezembro/20 tinha queda de 210 pontos, valendo 107,40 cents/lbp, março/21 registrava queda de 195 pontos, valendo 110,15 cents/lbp, maio/21 tinha queda de 195 pontos, valendo 111,65 cents/lbp e julho/21 registrava baixa de 195 pontos, negociado por 112,95 cents/lbp. 

"O café arábica está sob pressão hoje devido à preocupação de que as novas medidas de restrição impostas em algumas das maiores cidades da Europa possam conter o consumo e a demanda de café", destacou o site internacional Barchart em sua análise. 

De acordo com as previsões mais recentes do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a tendência é de chuvas volumosas para Minas Gerais, o que deve levar certo alívio ao produtor de café, que enfrenta a maior estiagem dos últimos anos. "Chegaram chuvas em diversas regiões, mas agrônomos e produtores são unânimes, elas chegam tarde e o prejuízo está feito", afirmou Eduardo Carvalhaes. 

Já o café tipo conilon segue operando com valorização técnica para as principais referências. Novembro/20 tinha alta de US$ 9 por tonelada, valendo US$ 1273, janeiro/21 tinha alta de US$ 11 por tonelada, negociado por US$ 1297, março/21 registrava valorização de US$ 11 por tonelada, valendo US$ 1306 e maio/21 registrava alta de US$ 10 por tonelada, valendo US$ 1320.

Por: Virgínia Alves

Visualizar | |   Comentar     |  



1