Rede Social do Café

T Ó P I C O : Cadeia produtiva do café sugere ao governo redução dos juros do Funcafé, informa CNC

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5175

Visitas: 22.920.059

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Cadeia produtiva do café sugere ao governo redução dos juros do Funcafé, informa CNC


Autor: Leonardo Assad Aoun

22 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 31/07/2020 13:41:30


Leonardo Assad Aoun comentou em: 31/07/2020 13:39

 

Cadeia produtiva do café sugere ao governo redução dos juros do Funcafé, informa CNC

 

A cadeia produtiva da cafeicultura sugeriu ao governo redução dos juros para até 5,25% a produtores e cooperativas, abaixo do Plano Safra 2020/21. Reivindicação nesse sentido foi apresentada pelo setor ao governo na terça-feira (28), durante a reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), a primeira coordenada pelo novo secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, César Halum. As informações são do Conselho Nacional do Café (CNC).

A cadeia produtiva da cafeicultura argumenta que a proposta de redução dos juros do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), já para a safra atual, tem como objetivo manter a atratividade para agentes e tomadores, diante do atual cenário econômico com impacto da pandemia do novo coronavírus e do nível da taxa Selic.

O presidente do CNC, Silas Brasileiro, diz em comunicado que "a proposta estruturada pelos segmentos implica juros máximos de até 5,25% para produtores e cooperativas de produção, abaixo dos 6% das linhas do Plano Safra. Isso será possível por meio da redução da remuneração do Funcafé a 2,25%, mesmo nível da Selic, mais spread bancário flexível de 0% até 3%”.

Segundo ele, os juros para industriais e exportadores também tiveram proposta para redução, para o máximo de 6,75%. “As indústrias e o comércio contarão com uma taxa muito competitiva, já que a remuneração de 2,25% do Fundo é válida para as linhas de aquisição de café (FAC) e capital de giro. O spread permanece flexível entre 0% e 4,5%”, completa.

Na safra 2020, a taxa máxima atual para cooperativas e produtores é de até 6% (3% para o Fundo e 3% de margem aos agentes) e, para indústrias e exportadores, de até 7,5% (3% ao Funcafé e até 4,5% de spread).

Com a possibilidade de negociar o spread com as instituições financeiras, o presidente do CNC recorda que os tomadores poderão ter juros abaixo de 5,25% ao ano nos empréstimos do Funcafé. “Os juros máximos propostos são de até 5,25% e 6,75%, conforme as linhas de financiamento, mas produtores, cooperativas, exportadores e industriais têm a possibilidade de negociar a margem com os agentes”, explica.

Repasse - Nesta semana, os bancos ABC Brasil e BMG receberam, juntos, R$ 413,6 milhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), por meio de contratos assinados com o Ministério da Agricultura. Até o momento, o Fundo já encaminhou R$ 4,046 bilhões a 23 instituições financeira, de um total recorde de R$ 5,7 bilhões disponíveis nesta safra.

Fonte: Estadão Conteúdo/Notícias Agrícolas

Visualizar | |   Comentar     |  



1