Rede Social do Café

T Ó P I C O : Projeto Campo Futuro analisa custo de produção do café em Minas Gerais

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5166

Visitas: 22.768.672

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Projeto Campo Futuro analisa custo de produção do café em Minas Gerais


Autor: Leonardo Assad Aoun

50 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 30/06/2020 18:55:45


Leonardo Assad Aoun comentou em: 30/06/2020 18:57

 

Projeto Campo Futuro analisa custo de produção do café em Minas Gerais

 

O Projeto Campo Futuro promoveu o primeiro painel online de 2020 da cafeicultura para levantamento dos custos de produção

Por: CNA - CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL/AGROLINK


Imagem: Pixabay

O Projeto Campo Futuro, desenvolvido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), promoveu na terça (30) o primeiro painel online de 2020 da cafeicultura para levantamento dos custos de produção do grão. O modelo analisado, considerou lavouras de café arábica com manejo de irrigação, áreas produtivas de 50 hectares e produção média dos últimos quatro anos de 35 sacas por hectare para a região de Monte Carmelo, em Minas Gerais.

Participaram da discussão produtores locais, técnicos da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), representantes do Sindicato dos Produtores Rurais e da Associação dos Cafeicultores da Região de Monte Carmelo (Amoca), contribuindo para o levantamento dos dados.

Esse ano, com a valorização da taxa de câmbio e das cotações internacionais, o preço do café m real deu uma alavancada, ou seja, temos um cenário bom”, explicou o coordenador do Projeto Campo Futuro, Thiago Rodrigues.

Com relação aos custos de produção, o painel encontrou alguns dados que sugerem a redução no custo operacional efetivo, que é aquele que mede o desembolso do produtor.

“Esse custo caiu 2,6% em relação ao painel realizado no último ano. Em compensação, os custos operacionais totais que envolvem a depreciação e o pró-labore do produtor aumentaram 3%.”

Segundo ele, esse cenário aponta um incremento de receita para o produtor com uma margem favorável a curto prazo. “No entanto, em longo prazo, a gente define, com base na margem líquida, que o produtor continuou operando com valores negativos. Porém, é importante ressaltar que são dados preliminares que ainda serão validados.”

“De todo geral, o gasto com a lavoura diminuiu 13,7% por hectare, e isso repercutiu em um cenário de custo operacional efetivo menor, de 2,6%”, ressaltou Thiago Rodrigues.

Visualizar | |   Comentar     |  



1