Rede Social do Café

T Ó P I C O : ABIC divulga resultado do leilão dos cafés vencedores do 16º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5126

Visitas: 22.183.751

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

ABIC divulga resultado do leilão dos cafés vencedores do 16º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café


Autor: Leonardo Assad Aoun

33 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 13/02/2020 18:27:58


Leonardo Assad Aoun comentou em: 13/02/2020 18:23

 

ABIC divulga resultado do leilão dos cafés vencedores do 16º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café

 

As empresas Grupo 3 Corações e Portal das Cachoeiras, de Ibicoara, na Bahia, foram as campeãs na categoria Ouro/Arábica pagando o valor de
R$ 6.500,00 por saca de café do produtor Antonio Rigno de Oliveira, de Piatã, na região Planalto Baiano, na Chapada Diamantina (BA), o mais bem avaliado na categoria Arábica.

E na categoria Ouro/Canefora, que é uma ação inédita do concurso e, consequentemente, do leilão, a empresa Cical Alimentos, de Rondônia, deu o maior lance – no valor de R$ 1.600,00 – pela saca do produtor mais bem avaliado em Canefora, Alex Marques de Lima, de Alto Alegre, Matas de Rondônia.

Na categoria Diamante, que premia a empresa com maior investimento em qualidade, o vencedor foi o Grupo 3 Corações, com a soma total de
R$ 16.600,00.

Nesse ano, o 16º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café – Origens do Brasil - Safra 2019 - teve um número recorde de participantes com 15 regiões produtoras, totalizando 44 amostras. O novo formato do concurso possibilitou a presença de diversas origens, abrangendo todas as regiões do País.

Participaram do concurso as seguintes origens:

Minas Gerais: Campo das Vertentes, Cerrado Mineiro, Chapada de Minas, Mantiqueira de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas;
São Paulo: Média Mogiana e Região de Pinhal;
Espírito Santo: Conilon Capixaba e Montanhas do Espírito Santo;
Rio de Janeiro: Vale do Paraíba;
Paraná: Norte Pioneiro do Paraná;
Rondônia: Matas de Rondônia;
Bahia: Chapada Diamantina e Planalto de Vitória da Conquista.

Ao todo, 20 empresas participaram do leilão, com valor total de
R$ 56.847,00 em lances, com preço médio por saca de R$ 1.959,00. Um destaque desta edição foi o grande volume de lances ofertados.

“Já faz parte da nossa cultura o incentivo aos produtores de café brasileiro e, consequentemente, a valorização de suas regiões, que tornam o Brasil cada vez mais um País produtor de cafés de qualidade diferenciada. E este ano foi especial, com o leilão dos Robustas Amazônicos e Capixabas, algo ímpar quando comparado com o mundo produtor de cafés. Desta forma, sempre fortalecemos e consolidamos a nossa participação nos leilões promovidos pela ABIC e neste ano não foi diferente”, explica Gilberto Nogueira, do Grupo 3 Corações.

O leilão online aconteceu entre os dias 07 e 12 de fevereiro de 2020 e o lance mínimo foi de 70% acima da cotação BMF/Bovespa do dia 06 de fevereiro. O pregão pôde ser acompanhado todos os dias diretamente no site da ABIC, o que permitiu mais transparência e uma maior competitividade entre os participantes. 

Para Antonio Rigno de Oliveira, produtor de Piatã, que teve o café mais bem avaliado entre os Arábicas, concursos e leilões como esses são um meio de valorizar e honrar o trabalho dos produtores de café e com isso, agregar valor ao produto, que tem qualidade, sabor e aroma para ser reconhecido mundialmente, incluindo ainda a diversidade regional.

Esse reconhecimento é também o que motivou e incentiva o produtor Alex Marques, de Matas da Rondônia, que foi o que teve o café Canefora mais bem avaliado. Para ele, essas ações valorizam as regiões produtoras, em especial Rondônia, que já vem tendo destaque no meio do café, e principalmente, valorizam o Brasil com seus cafés de altíssima qualidade.

Todos os cafés adquiridos pelas empresas no leilão online serão industrializados e poderão ser adquiridos pelos consumidores em edições especiais. O lançamento desses cafés será no mês de abril, durante a cerimônia de premiação dos Melhores Cafés do Brasil.

Para o presidente da ABIC, Ricardo Silveira, tanto a acirrada disputa no leilão como também no concurso, mostram que indústrias e produtores trabalham para aumentar a qualidade do café. Para ele, essas ações reafirmam que o brasileiro pode consumir os melhores cafés do mundo, certificados pela entidade e num padrão de excelência de qualidade.

Os cafés Arábica e Canefora foram avaliados nos últimos dias 4 e 5 de fevereiro, por um júri composto por especialistas em classificação e análise sensorial. As amostras foram submetidas à metodologia do PQC - Programa de Qualidade do Café ABIC, e a nota mínima exigida é de 7,3, sendo que o resultado das avaliações representa 90% da nota final. Os 10% restantes são pautados na questão de sustentabilidade das propriedades produtoras.

Grão Café valoriza disputa no Leilão

Participante assídua nos últimos anos do Concurso ABIC, o clube de assinatura Grão Café, de Presidente Prudente-SP, foi a empresa que realizou o maior número de lances no período do leilão, arrematando quatro sacas de quatro regiões diferentes. Papel semelhante teve o Café do Moço, do barista Léo Moço, de Curitiba-PR, que arrematou três sacas de três regiões, entre elas, Rondônia.

A Villa Café, indústria associada da ABIC, também arrematou três sacas do certame. As demais empresas participantes foram: Armazém do Café, Arminda Café Gourmet, Barisly Café, Baryx, Black Prime Café, Café Cajubá, Café Excelsior, Café Lontrinha, Café Mazzi, D. Gama Pousada e Camping, Gabriel Abreu Ramos (MEI), Il Barista Cafés Especiais, Kaphé e Prelúdio Cafés Especiais. 

Fonte: ABIC/Notícias Agrícolas

Visualizar | |   Comentar     |  



1