Rede Social do Café

T Ó P I C O : Chegada definitiva do frio aumenta consumo de café. Mas como se aquecer sem perder o sono?

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5083

Visitas: 21.240.339

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Chegada definitiva do frio aumenta consumo de café. Mas como se aquecer sem perder o sono?


Autor: Leonardo Assad Aoun

46 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 12/06/2019 14:21:47


Leonardo Assad Aoun comentou em: 12/06/2019 14:31

 

Chegada definitiva do frio aumenta consumo de café. Mas como se aquecer sem perder o sono?

 

A chegada definitiva do tempo frio aumenta o consumo de bebidas quentes, principalmente o café. Mas como se aquecer com ele e não ficar tão ligado que é impossível dormir? A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo tem a solução: um grão arábica naturalmente descafeinado – que mantém as propriedades do quentinho cafezinho, mas não deixa ninguém com mais energia do que o necessário.

A iniciativa está sendo desenvolvida no Instituto Agronômico (IAC) e o grande diferencial é que, ao contrário dos descafeinados já existentes, o da Secretaria já nasce sem cafeína. Um dos principais ganhos para a população é que a novidade dispensa o processo químico de descafeinação, que envolve substâncias não tão seguras utilizadas como solventes.

A pesquisa examinou individualmente plantas oriundas da Etiópia que apresentavam baixo teor de cafeína. “Acreditávamos que esta região por ser o centro de origem do café arábica e, portanto, o local de maior diversidade genética, possivelmente nos traria alguma planta com essa característica”, afirma a pesquisadora da Secretaria Maria Bernadete Silvarolla.

Além de manter as características sensoriais agradáveis, a indústria que utiliza o café exclusivamente para a produção da bebida, terá reduções no custo dessa extração química. “Esperamos que num futuro próximo as populações nacional e mundial sejam brindadas com um café naturalmente descafeinado e com uma pitada do tempero etíope”, completa o pesquisador Júlio César Mistro.

A redução será também na quantidade de substâncias químicas utilizadas para descafeinar o grão como benzeno (possível agente cancerígeno), cloreto de metileno, acetato de etila e dióxido de carbono. “Esses solventes deixam resíduos no café que podem ser prejudiciais à saúde, apesar de não ter um estudo muito volumoso sobre isso”, alerta Sizele Rodrigues, nutricionista da Secretaria.

O café naturalmente descafeinado, continua a nutricionista, também traz importantes ganhos para a saúde. “Quando consumida em quantidades moderadas, a cafeína não acarreta nenhum mal à saúde. Porém em pessoas com uma certa intolerância, o seu consumo pode trazer efeitos colaterais, como dores de cabeça, aumento da ansiedade e insônia, taquicardia, problemas estomacais e refluxo gastroesofágico”.

De acordo com Sizele, a recomendação de consumo diário da cafeína é de 400mg, o que corresponde a três xícaras de café. Se houver necessidade de um consumo maior, pode-se complementar com xícaras de café descafeinado, que pode ser consumido em maior quantidade: de três a cinco xícaras diárias.

Fonte: SEGS

Visualizar | |   Comentar     |  



1