Rede Social do Café

T Ó P I C O : Cooperativas atuam junto ao produtor para levar conhecimento às lavouras de café

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 4926

Visitas: 18.525.834

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Cooperativas atuam junto ao produtor para levar conhecimento às lavouras de café


Autor: Leonardo Assad Aoun

30 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 21/04/2017 10:40:39


Leonardo Assad Aoun comentou em: 21/04/2017 07:34

 

Cooperativas atuam junto ao produtor para levar conhecimento às lavouras de café

 

Novas práticas e técnicas, aliadas a equipamentos e insumos inovadores no mercado, fazem a produtividade aumentar no campo

Por Lucas Soares, G1 Sul de Minas, Machado, MG

Disseminação de informações no campo ajudam cafeicultor a melhorar produtividade no Sul de Minas (Foto: Lucas Soares)
Disseminação de informações no campo ajudam cafeicultor a melhorar produtividade no Sul de Minas (Foto: Lucas Soares)

A adoção ao longo dos anos de novas práticas, técnicas, maquinários e insumos para controle de pragas, fez com que a produtividade do café aumentasse consideravelmente no Sul de Minas nas últimas décadas. Tanto que a região se tornou a maior produtora do país. O surgimento de novas tecnologias e o trabalho feito junto ao produtor, diretamente no campo, contribuíram para esse avanço. Grande parte deste avanço está relacionado à atuação das cooperativas na região.

"Eu atuo na cafeicultura há mais de 40 anos. Acompanhei o avanço do café na região de Machado (MG) desde a cafeicultura tradicional. Com o passar dos anos, nós tivemos os planos de expansão de cafezais e uma evolução permanente de produtividade, mecanização, novos insumos, diminuição da mão de obra latente. Antes nós trabalhávamos com 10, 12 sacas por hectare. Hoje trabalhamos com 26, 27", diz o engenheiro agrônomo da Cooperativa Agrária de Machado, José Pinheiro Lourenço.

Hoje, além de facilitar o acesso do produtor às novas tecnologias e insumos que são necessários na lida diária, as cooperativas ajudam a disseminar o conhecimento para o melhor manejo da cultura.

Segundo diretor de cooperativa, instituições ajudam produtor a melhorar qualidade e produção no campo (Foto: Lucas Soares)Segundo diretor de cooperativa, instituições ajudam produtor a melhorar qualidade e produção no campo (Foto: Lucas Soares)

A cooperativa da região de Machado tem 73 anos de existência e atua em 43 municípios. Além da assistência que é levada ao produtor diretamente no campo por mais de 40 técnicos, a instituição facilita o acesso do pequeno produtor a ferramentas como o mercado futuro, onde o agricultor consegue saber o quanto vai receber pelo café nos próximos meses. Dos mais de 2 mil cooperados, 76% representam a agricultura familiar, pessoas que vivem e dependem da renda do café para sobreviver.

"Normalmente são produtores que têm pouco acesso ao conhecimento e o nosso papel é elevar esse conhecimento, essa bagagem, a sustentabilidade deles, porque o negócio menor tem que ser mais cuidado, tem que agregar mais valor ao produto. A cooperativa também regula o mercado, que são produtos essenciais, combustível e outras áreas que a gente atua, fertilizantes, a gente baliza o mercado. Sem a presença da cooperativa, as revendas acabam explorando o produtor. A cooperativa cria um volume de compras bastante grande e a gente consegue junto aos fornecedores repassar esses produtos ao mercado em um preço adequado, em um preço justo", diz Vieira.

 

Combate a doenças

 

Um dos trabalhos realizados pelas técnicos das cooperativas no campo é o combate adequado às doenças que atingem o cafeeiro. Entre elas está a ferrugem, que é a principal doença que atinge as lavouras e também a broca-do-café, nome popular que é dado ao besouro cuja larva se alimenta das sementes da planta.

Broca-do-café, que destrói sementes do cafeeiro, é uma das doenças que afetam as lavouras (Foto: Lucas Soares)Broca-do-café, que destrói sementes do cafeeiro, é uma das doenças que afetam as lavouras (Foto: Lucas Soares)

Broca-do-café, que destrói sementes do cafeeiro, é uma das doenças que afetam as lavouras (Foto: Lucas Soares)

"Quando nós tínhamos produtos favoráveis ao controle, a broca não chegava a ser uma coisa determinante. Hoje, na situação em que estamos, ela é limitante. Nós tínhamos um produto de controle que foi simplesmente banido e ainda não há no mercado outro que tenha a mesma eficiência. Os que existem no mercado, ou são muito agressivos ou não têm a mesma eficiência", diz o engenheiro agrônomo Pinheiro.

A importância de se fiscalizar e estar junto ao homem do campo para o controle de doenças é para evitar prejuízos. A ferrugem, por exemplo, ataca as folhas da planta e pode levar à perda de colheitas e plantações inteiras.

"A principal doença do café ainda é a ferrugem. Mas a ferrugem é controlável, desde que seja feita nas épocas certas. Em uma lavoura sem controle, a cada 4 anos, você perde uma safra. Se somar o prejuízo que a ferrugem provoca, o produtor perde a safra", completa o engenheiro agrônomo.

Via G1 Sul de Minas

Visualizar | |   Comentar     |  



1