Rede Social do Café

T Ó P I C O : Dubai quer ser o maior importador de café do mundo

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5083

Visitas: 21.240.712

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Dubai quer ser o maior importador de café do mundo


Autor: Leonardo Assad Aoun

35 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 15/04/2019 14:13:31


Leonardo Assad Aoun comentou em: 15/04/2019 14:24

 

Dubai quer ser o maior importador de café do mundo

 

A meta foi apresentada pelo presidente do Centro de Multi Commodities de Dubai (DMCC), Ahmed Bin Sulayem, durante o Global Business Forum para a América Latina, no Panamá.

GBF foi promovido pela Câmara de Dubai

Bruna Garcia Fonseca/ANBA
bruna.garcia@anba.com.br

São Paulo – O emirado de Dubai pretende ser o principal importador de café do mundo. Foi o que disse o presidente do Centro de Multi Commodities de Dubai (DMCC, na sigla em inglês), Ahmed Bin Sulayem, durante o Global Business Forum para a América Latina (GBF), que aconteceu em 09 e 10 de abril, na Cidade do Panamá.

DMCC é uma zona franca que já abriga o maior centro de distribuição de chá do mundo, detendo 60% do total comercializado. Em fevereiro, lançou um Centro de Café com infraestrutura de ponta para atrair empresas a se instalarem e distribuírem café para a região, com maquinário de torra, embalagem, armazenamento climatizado, entre outras instalações.

O Brasil vem ampliando as vendas de café para os árabes, conforme demonstrou o último relatório da Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). Foram embarcadas para a região 429 mil sacas no primeiro trimestre deste ano, um aumento de 39% sobre o mesmo período de 2018.

Divulgação

Ahmed Bin Sulayem, presidente do DMCC

Também foi divulgado no fórum que o Brasil liderou as exportações da América Latina para Dubai em 2018. Somente o emirado comprou US$ 1,4 bilhão em produtos brasileiros, enquanto as exportações de Dubai ao Brasil ficaram em US$ 100 milhões. Os valores foram anunciados pela Câmara de Comércio e Indústria de Dubai, organizadora do GBF.

Sulayem declarou ainda que o DMCC planeja concentrar 30 mil empresas em sua área de influência e apresentou as facilidades e isenções para companhias que desejam se estabelecer lá.

“De forma geral, os países latino-americanos que se apresentaram no fórum ressaltaram sua capacidade produtiva de alimentos e commodities; o agronegócio, definitivamente, é o maior produto de exportação da América Latina”, afirmou Janine de Menezes, diretora de Marketing da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, que participou do evento. Ela citou como exemplo o Haiti. “O presidente do Haiti, Jovenel Moise, apresentou o potencial do país como produtor de alimentos e falou das oportunidades de investimentos no país, que está em reconstrução”, contou. Outros assuntos abordados nos painéis, segundo a diretora, foram logística, fintechs e negócios em setores diversos, além do agronegócio.

“Estar presente no Global Business Forum para a América Latina foi de suma importância para a Câmara Árabe, porque ela é um guarda-chuva, faz o elo entre o Brasil e os 22 países árabes; enquanto o evento foi essencialmente entre os Emirados e a América Latina, a Câmara pode levar essas informações para os outros 21 países da Liga Árabe”, afirmou Menezes. “Foi importante presenciar o real interesse dos Emirados no estreitamento de negócios com a América Latina, e ver que este movimento está acontecendo na região como um todo”, acrescentou.

Divulgação

Janine Menezes, da Câmara Árabe e Hamad Buamim, da Câmara de Dubai

O presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o colombiano Luis Alberto Moreno, apresentou no fórum algumas oportunidades de investimento estrangeiro direto (IED), como o setor de cobre, a segurança alimentar na América Latina como um todo e as aeronaves brasileiras (Embraer). Segundo ele, estudos apontam um aumento de US$ 3,3 bilhões ao ano em negócios quando países abrem escritórios comerciais nas regiões de interesse, e ressaltou a importância de diminuir barreiras e custos logísticos.

Também no evento realizado pela Câmara de Comércio de Dubai, seu presidente, Hamad Buamim, disse que a implementação de mais acordos de comércio ampliaria em US$ 9,8 bilhões ao ano os negócios entre as regiões.

Buamim anunciou que a Câmara de Dubai investirá US$ 27 milhões na América Latina nos próximos dez anos, e que a entidade abrirá o quarto escritório na região, agora na Cidade do México. A Câmara de Dubai já conta com escritórios em São Paulo, Cidade do Panamá e Buenos Aires. Para ele, estes centros são pontos estratégicos na busca de estreitamento de negócios.

Segundo o chefe do escritório da Câmara de Dubai em São Paulo, João Paulo Paixão, o evento foi muito bem sucedido. “O Global Business Forum atraiu mais de 800 visitantes de 50 países. Foram 17 painéis com 46 palestrantes, e foram facilitadas mais de 300 reuniões bilaterais”, relatou. De acordo com ele, a Câmara agora irá avaliar quando e onde será a próxima edição do evento, que pode ocorrer novamente em Dubai ou em outro país da América Latina.

Do Brasil, além dos nomes previamente anunciados, como Cristina Junqueira, vice-presidente do Nubank, participou também Carlo Pio, secretário executivo da Câmara de Comércio Exterior (Camex). Pio transmitiu uma mensagem de otimismo e falou que este é um novo momento do Brasil, com um grande potencial de atração de investimentos.

Visualizar | |   Comentar     |  



1