Rede Social do Café

T Ó P I C O : #No DF, área plantada de café é pequena, mas a produtividade é alta

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 4932

Visitas: 18.909.258

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

#No DF, área plantada de café é pequena, mas a produtividade é alta


Autor: Leonardo Assad Aoun

61 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 17/07/2017 10:14:57


Leonardo Assad Aoun comentou em: 17/07/2017 06:59

 

#No DF, área plantada de café é pequena, mas a produtividade é alta

 

Maior produtor e maior exportador mundial, o país colherá 45,5 milhões de sacas neste ano, em 2,2 milhões de hectares

Marlene Gomes - Especial para o Correio / Correio Braziliense

É tempo da colheita de café no Brasil. Estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicam que o país colherá 45,5 milhões de sacas de 60kg, na safra 2017, em 2,23 milhões de hectares cultivados. No Distrito Federal, a área plantada é pequena, 531 hectares, mas a produtividade faz a diferença. A produção chega a cerca de 942 toneladas por ano, sendo que é possível colher até 50 ou 60 sacas de café por hectare, o dobro de produtividade média nacional, de acordo com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

O faturamento bruto do setor cafeeiro no Brasil  deve chegar a R$ 22,2 bilhões neste ano. O país é responsável por 31% da produção mundial de café — é o maior produtor e o maior exportador do mundo. A cafeicultura está presente em 1.800 municípios brasileiros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor gera 2,2 milhões de empregos diretos e oito milhões de empregos indiretos.

Na capital do país, a cafeicultura ganha cada vez mais espaço e é caracterizada pela alta qualidade dos grãos. O cultivo é feito por irrigação, garantindo a quantidade ideal de água para a produção. “No DF, a altitude de mais de mil metros em áreas de plantio e o clima da região, com períodos definidos de chuva e de seca, além da baixa umidade, favorecem a floração”, explica o técnico da Emater-DF Carlos Morais.

Valor

Atualmente, muitos produtores estão investindo na produção do café sombreado, em sistema orgânico, um processo que cultiva a lavoura de café embaixo de árvores frutíferas, como abacateiros e bananeiras. Dessa maneira, os cafezais recebem menos sol e os frutos amadurecem mais lentamente, resultando em grãos maiores e com um sabor mais adocicado. “Esse sistema dá uma qualidade ainda maior ao café e agrega de 30% a 40% a mais de valor ao produto”, diz Morais.

Pioneiro na produção de café no DF, Nazih Jarjour, 75 anos, herdou do pai, o imigrante sírio Aziz Abdala Jarjour, o gosto pelo cultivo de grãos e pela criação de gado. Na fazenda Arábia, uma propriedade de quase dois mil hectares, no núcleo rural de Planaltina, Nazih conta com a ajuda do filho Aziz Jarjour, 44 anos, para a administrar o negócio do café, colhido, torrado, moído e ensacado no local. “Tudo o que é produzido vai para o mercado externo, e a palha que sobra do processamento volta para o cafezal. É o melhor adubo para o café”, explica Nazih.

20170716213129958095eNazih conta com a ajuda do filho Aziz Jarjour, 44 anos, para a administrar o negócio do café

Maquinário

A fazenda, que já teve cerca de 50 empregados somente para a colheita do café, hoje contabiliza cinco pessoas para fazer todo o trabalho. A mecanização chegou com força na Fazenda Arábia, aumentando a eficiência na colheita e reduzindo o custo de produção. O maquinário moderno percorre 700 metros por hora, colhendo frutos com precisão. “O padrão dos grãos produzidos aqui é bom, porque a região é boa, sem chuva e umidade. E seca por igual — dá um padrão melhor de bebida. A produtividade é de 20 a 40 sacas por hectare”, diz o agricultor.

Na fazenda, a colheita mecanizada não diminuiu em nada o trabalho de João Pereira, 56 anos. Encarregado do café, Pereira percorre diariamente a plantação com olhos atentos e mãos ágeis. O homem se orgulha do trabalho, quase cirúrgico, de identificar galhos suspeitos de ocultar doenças, folhas não saudáveis e fungos que podem prejudicar a colheita, além da maturação dos frutos. “Hoje vale muito a prática. Essa é uma atividade que conheço a fundo. Não tenho diploma, mas fui criado nos cafezais”, afirma.

Números 
Brasil 2016

- 49 milhões de sacas produzidas

- 35 milhões de sacas exportadas

- As exportações brasileiras foram para 130 países

- Principais destinos: Estados Unidos, Alemanha, Itália, Japão e Bélgica

- O café representou 6,44% das exportações do agronegócio brasileiro em 2016, ocupando a 5ª posição no ranking com receita de US$ 5,47 bilhões

Estimativas da Safra 2017 

- Área plantada: 2,23 milhões de hectares 

- 45.563,2 mil sacas beneficiadas 

- Produtividade: entre 23,02 e 25,05 sacas por hectare

Principais estados produtores

Minas Gerais

- Maior produtor de café do Brasil

- 977,44 mil hectares de área plantada

- Entre 25,4 e 26,81 milhões de sacas

- Produtividade média de 25,98 e 27,43 de sacas por hectare

Espírito Santo

- 385,54 mil hectares de área plantada

- Entre 7,34 e 8,43 milhões de sacas

- Produtividade média de 19,05 a 21,86 de sacas por hectare

São Paulo

- 216 mil hectares de área plantada

- Entre 4,05 e 5 milhões de sacas

- Produtividade média de 20,0 a 24,70 sacas por hectare

Outros estados produtores

Bahia, Rondônia, Paraná, Rio de Janeiro, Goiás, Mato Grosso, Amazonas

DF

- 500 hectares de área plantada

- Produtividade média de 25 a 40 sacas por hectare

- Produção de 14 mil toneladas no ano passado

Fontes: Secex/Conab/Emater

Visualizar | |   Comentar     |  



1